A entrevistada deste mês é uma sumidade em diversos assuntos e é considerada uma das principais pensadoras digitais no Brasil. Martha Gabriel domina como ninguém o assunto inovação e tecnologia, tão pertinentes no universo empreendedor. Por isso, também é requisitada no mundo inteiro para falar do assunto. Ela é autora de seis best sellers. Sua mais nova publicação “Você, eu e os robôs: pequeno manual do mundo digital” bateu recorde de vendas logo que foi lançado. Também tem livro publicado que foi finalista do Prêmio Jabuti, um dos mais importantes no país, o livro “Educ@r: a (r)evolução digital na educação”. Para falar dela é preciso antes, entendermos porque Martha Gabriel é tão conceituada e respeitada pelo conteúdo que tem publicado e palestrado. O currículo é impressionante, atualmente ela é executiva e consultora nas áreas de business, inovação e tendências digitais. Para isso, se formou como engenheira pela (Unicamp), é pós graduada em Marketing (ESPM), Designer (Belas Artes), mestre e PhD em Artes (ECA/USP), e Educação Executiva no MIT com foco em neurociência para liderança e negócios. Professora de pós graduação na PUC-SP, no TIDD (Tecnologias da Inteligência), de MBAs, e faculty internacional da CrossKnowledge.
Quando se apresenta, ela mesma diz, uma CDF. Mas nós preferimos compreender que é uma mente brilhante que consegue enxergar o futuro de negócios com uma clareza assustadora.
No livro “VOCÊ, EU e os ROBÔS: pequeno manual do mundo digital”, ela discorre sobre uma preocupação da atualidade. Até onde os robôs irão executar tarefas que hoje nós humanos fazemos? A Revolução Digital vai causar um desemprego em massa? O best seller é um verdadeiro guia de sobrevivência no meio desse turbilhão de mudanças que estamos vivendo. Fala sobre os impactos para a humanidade, nas suas mais diversas dimensões, como biológica, social e econômica. A leitura nos ajuda a caminhar sem medo e compreender as transformações que a tecnologia tem causado no mundo e sobretudo a discernir o lado bom e o mau desses avanços. E se você se interessar mesmo no assunto, nossa indicação de leitura é o best seller “Marketing na Era Digital”, o livro traz uma linguagem simples e direta sobre a importância estratégica do marketing no contexto que engloba o digital e a plataforma participativa da Web 2.0. São várias orientações que compõem um conjunto de elementos que são essenciais e devem ser considerados para ações de sucesso nesse meio.
O fato é que hoje não se pode falar em inovação, tecnologia sem compreender as ferramentas. O uso inadequado, a exclusão ou o excesso podem levar o seu negócio e produtividade ao fracasso. Martha Gabriel é a brasileira que tem estudado esse movimento mundial e nos fala que o caminho para o discernimento passa por uma nova educação. A tecnologia não irá substituir a necessidade da ação humana, nós devemos nos adequar e adequar a tecnologia para as nossas necessidades. O que não dá é para ignorar a urgência de compreender todos esses processos que emergem e que já fazem parte do cotidiano no mundo inteiro.
Martha foi uma das palestrantes convidadas para a Feira do Empreendedor realizada em Belém. Claro que a Revista Janela VIP se fez presente e se deleitou com o conhecimento compartilhado no evento. Agora você pode acompanhar a entrevista e compreender um pouco sobre as mudanças que a tecnologia pode e tem feito no universo empreendedor.
RJV – O Marketing digital vai substituir todas as maneiras de vender?
Martha– O marketing digital atua no digital. Enquanto as pessoas não forem totalmente digitais, você não tem como substituir as possibilidades. O marketing digital vai substituir no reino digital, mas não nas outras áreas.

RJV – A inteligência artificial no marketing vai acabar com algumas profissões?
Martha – Opa! Em várias áreas sim. Tudo o que as pessoas fizerem hoje e for repetitivo, vai ser automatizado por inteligência artificial. Só não vai substituir é onde você fizer coisas que o robô não faz, como ética, emoção e empatia.
RJV – Qual a orientação para quem não investe em tecnologia e inovação?
Martha – Compra um túmulo (risos). Se você não inovar como empresa, não tem como acompanhar o ritmo do que está acontecendo. Todos os outros que estão inovando vão passar por cima de você. Então, se você não investe, só fica, assim, como que esperando os últimos dias. Você fica no estado de “Vou aguardar chegar o fim.”
RJV – Empreender é para todos?
Martha – Na minha opinião, não. Algumas pessoas precisam empreender, mas outras precisam vir por detrás, para que elas consigam dar a base para que as coisas continuem. Vou dar um exemplo a você. A gente precisa de pessoas na sociedade que não empreendam. Por exemplo, um piloto de avião. Você gostaria de um piloto de avião inovador e empreendedor? Não, né? Ele precisa fazer uma rota, tem que, fazer checagem. Existem coisas que, para que você tenha empreendedores, você precisa ter os acabadores, os que fazem a base não só da inovação, que fazem também o que chamo de acabamento.
RJV – Falando de Pará, muitas tecnologias ainda demoram a chegar aqui, um exemplo o 4G, que levou mais tempo para ser adotado. Estamos fadados a sempre ter esse acesso à tecnologia com atraso? Existe uma boa maneira para acompanharmos esse avanço?
Martha – Sim, eu acredito. O Pará pode até achar que ainda está com algum atraso, né? Você lembra que antigamente passava uma novela, e demorava uma semana ou duas para chegar aqui. E agora não é assim. Então a tecnologia tende a colocar todo mundo no mesmo patamar de plataforma. O que muda é a educação. Então, se quiser acompanhar, e isso vale para o Brasil inteiro, se quiser acompanhar o ritmo de inovação do mundo, não é só tecnologia que todo mundo tem que ter igual, mas a educação, para poder tirar a inovação dessa tecnologia.
RJV – A gente sabe que a tecnologia e a conectividade estão aí para ajudar e facilitar, mas corremos o risco da dispersão? De nos distrairmos com tanta informação?
Martha – Lógico que sim. A tecnologia não só ajuda. Ela ajuda e atrapalha. Toda tecnologia vem ao mundo e transforma, tanto para o bem quanto para o mal. Não existe tecnologia neutra. Então, por isso que eu falo: tanto a tecnologia artificial, quanto as mídias sociais têm coisas boas e coisas ruins. E a gente como ser humano e com pensamento crítico tem justamente que pensar: “Ok, isso aqui me ajuda nisso. Mas o que pode ser que isto esteja me atrapalhando?” Isso desde lá detrás, o fogo ajuda e o fogo atrapalha. E isso vale para qualquer tecnologia nova que entra.
RJV- Para finalizar, qual a dica para quem está iniciando um negócio?
Martha – A dica é simples. Quem está começando um negócio, que use a tecnologia em tudo o que puder. Onde não puder, use a inteligência!