Com Célia Pinho

Um girassol! É assim que podemos descrever a jornalista Célia Pinho. Ela ilumina qualquer ambiente, tem leveza e ah… leva os seus dias procurando estar sempre na companhia do astro rei. Isso mesmo, Célia é apaixonada por sol! O prazer que ela tem está estampado nas redes sociais e também na pele bronzeada. “Sempre gostei de sol, eu sou leonina, né? E dizem que os leoninos são regidos pelo sol, então, se é pelo sol, tudo a ver. Sol, astro rei, rei das florestas, todas essas coisas”, conta entre gargalhadas.
Com origens portuguesas na família, Célia explica que sua cor natural é muito branca, e que isso a incomodava. Na adolescência e juventude, sempre levava bronca da mãe que dizia não reconhecer a cor da filha.
A rotina de repórter de uma grande emissora de TV na capital possibilita que esse encontro com a paixão seja diário. Afinal, são 32 anos no ambiente de trabalho das reportagens que são as ruas. “Sol é uma coisa que me energiza, então o sol tá lindo, maravilhoso, e eu faço a entrevista com a moleira doendo, mas eu estou ali plena. Eu sinto suor descer nas costas, mas eu me sinto plena, pode vir que vamos lá!”, revela como lida com o calorão que faz em Belém. Ela fala com tanto ânimo, que dá vontade de correr, pegar um biquini e atualizar o bronze. Ainda bem que aqui no Pará, o inverno Amazônico tem bastante calor para garantir a felicidade da Célia, que em dias de muita chuva fica “mufina” como ela mesma define.
Nas férias, é quando a jornalista decide que vai torrar! É claro, sempre usando protetor solar de boa qualidade para garantir a saúde. E em cada viagem, são centenas de aventuras. Pra quem já é uma contadora de histórias nata, essa paixão rendeu tantas experiências que daria para escrever alguns livros. São pessoas, amigos, histórias de vida que são encantadoras.
Quem conhece Célia sabe que ela tem mesmo uma energia peculiar. Ela encara a vida com muito bom humor e tem a generosidade de dividir isso com todos ao seu redor. Até mesmo, os entrevistados nas delegacias não resistem a sorrir com as tiradas da repórter que sempre tem uma mensagem de ânimo. E advinha de onde ela tira todo esse amor pela vida? Do sol, claro.
“Quando estou ao ar livre, é uma energia tão boa, é como se literalmente eu recarregasse as minhas baterias, entende? Eras, eu chego num lugar que tem aquele marzão, ou então alguma coisa com água e ar, igarapé ou piscina, eu digo Ô, meu Deus obrigada por tudo isso”, e ri de maneira tão contagiante que acendeu um sol inteiro na sala.
@celiapinho