Velocidade, força e muita coragem para cumprir um circuito sobre quatro patas. Você não entendeu errado, é sobre um cavalo que Naiana Fonseca Morais desafia seus limites. A empresária é praticante de um esporte das arenas de rodeios: a prova dos três tambores. E a história do #MinhaPaixão especial do Mês da Mulher tem tudo a ver com superação. A relação de afeto por cavalos vem da infância de Naiana, mas uma queda deu espaço para o medo e a afastou das arenas. O reencontro com o universo country veio muito tempo depois, quando casou e foi morar num lugar repleto de natureza e animais. Esse momento foi crucial para uma tomada de decisão. “Com 40 anos, resolvi lutar contra o medo e percebi que era hora de superar. Resolvi fazer melhor, não me dei como vencida,” revela.
A prova dos três tambores consiste em executar um circuito sobre o cavalo no menor tempo possível, em média 18 segundos. A prática exige força, destreza e confiança no animal. Quem a vê montando e executando movimentos com tanta perícia, não imagina o tamanho do esforço nos treinos que variam de 3 a 4 horas diárias. A empresária explica que são horas de troca de energia com os animais. A dedicação é recompensada e sai da sela de montaria para passos firmes no dia a dia. “Aprendi a me superar sempre. Todos os dias têm coisas a serem ultrapassadas, seja na família ou obstáculos de trabalho. Com os treinos, eu consegui achar um ponto de equilíbrio em tudo.”
A conexão com os cavalos trouxe mais força à feminilidade de Naiana. Nós confirmamos isso ao olhar para a mulher charmosa e segura que domina animais imponentes com imensa delicadeza. “Eu descobri um poder a mais em mim. Controlo um cavalo na velocidade, e é na velocidade que busco alcançar meus objetivos. Sinto-me uma super mulher”, sorri e encanta nossa equipe.
Naiana além de apaixonada pela montaria, é uma empreendedora nata. Com base no cenário e nos elementos country, ela criou a ‘‘Farm Charms’’, para atender a necessidade de outras mulheres com peças de decoração personalizadas. “Montar movimenta a alma. Sinto-me mais poderosa,” e assim sela a paixão pela prova de três tambores.