Compaixão é o sentimento que faz a professora Graça Alves tirar das ruas animais abandonados. Com muita paixão, ela cuida dos animais em casa como se eles fossem da família. Ao todo são 26, entre cães e gatos, que recebem cuidados diários. Esse amor veio de forma natural, na infância. A professora conta que bastava sair de casa para encontrar algum pet precisando de ajuda. “Eu via os filhotes abandonados e no caminho já ia levando os gatinhos. E assim, na minha casa sempre teve vários animais,”.
Uma paixão que semeou sentimentos bons de respeito aos seres vivos. “O sentido de proteção aflorou muito cedo em mim, de saber que eles estão desprotegidos na rua,” explica.
O sonho da professora era poder manter os seus animais todos juntos em casa, mas as particularidades de cada um não permite, e para evitar confusão e para manter a verdadeira tropa em ordem, Graça mantém um canil em casa. O espaço foi todo planejado com conforto e higiene para cada um dos animais de estimação. Se dá trabalho? Ela diz com tanta calma, que realmente compreendemos essa relação. “Nunca me privei de nada, sempre trabalhei e tenho filhos. Acho que o amor é essencial e faz a gente não ver dificuldade. Nunca faltou nada a eles, aos meus familiares e nem a mim.”
O contato diário antes de sair para a rotina de trabalho ou na chegada, mostra que os bichinhos fazem parte da família mesmo, o tratamento é por igual, não tem um preferido, e eles também são educados para corresponder a todo esse carinho. “Eu ensino a disciplina da mesma maneira que educo os meus filhos, tem que ter hora da refeição, a ordem do que pode e o que não pode,” destaca.
E como essa paixão pelos animais é maior do que ela podia abrigar em casa, há alguns anos ela fundou a AMA (Associação Amigos dos Animais). A entidade atua nos cuidados de animais abandonados e, sobretudo, na busca de um lar para cada um deles. A iniciativa começou com amigos e hoje tem duas sedes, uma em Belém e outra em Ananindeua. Locais onde os pets recebem cuidados, alimentação, são castrados e ficam à espera de um novo dono. Tudo mantido com trabalho voluntário, e olha que é muita ração e produtos de higiene. Por isso, a professora e os voluntários fazem de um tudo para arrecadar os materiais necessários: rifas, eventos, feiras, bazar e todo tipo de campanha, e contam com as doações que chegam de toda a parte. É importante destacar que os canis não são postos para abandono de animais, mas ponto de encontro para adoção deles.
O motivo para adotar ou ajudar o projeto é o carinho que esses pequenos seres retribuem. seja com um afago, um balançar de rabo ou um latido que expressam sua gratidão. Ter o amor de um animal enche uma casa de alegria, afinal, eles entendem muito de reciprocidade.
A professora que sonhou um dia poder dar uma vida melhor aos bichinhos, deixa-nos uma verdadeira lição de humanidade. “Quem dá abrigo a um animal fraco e indefeso, recebe amor de volta.”