O planejamento tributário é um grande aliado dos empresários para redução da carga tributária. Mas, qual seria o momento certo de se executar esse planejamento? Estudos realizados pelo IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação), asseguram que o brasileiro gasta uma média de cinco meses por ano, trabalhando só para pagar impostos. Dentro desse complexo cenário, torna-se imprescindível a correta administração do ônus tributário por meio de um estudo fiscal adequado. Nesse sentido, o mês de dezembro é o referencial para colocar em prática essa ferramenta de economia tributária, pois as opções por novos regimes diferenciados de arrecadação de impostos, por exemplo, só podem ser feitas em janeiro de cada ano, com efeitos percebidos a partir do primeiro pagamento de imposto. Dentre os principais objetivos do planejamento tributário, está o de evitar a incidência dos fatos que geram os impostos, reduzir, ou ainda postergá-los. Em alguns casos, a lei não autoriza expressamente algumas alternativas de redução tributária, entretanto, essas condutas podem ser consideradas lícitas, desde que não haja algum tipo de proibição por parte das normas fiscais. Alguns artefatos do planejamento – apesar de lícitos – se não forem feitos de forma correta e segura, podem ser entendidos como evasão fiscal, procedimento considerado repreensível e passível de punição pelo fisco. Diante disso, contar com profissionais qualificados na área tributária – com conhecimento técnico para desenvolver o planejamento de suas finanças – possibilitará para o seu empreendimento uma redução no ônus fiscal de forma segura e, assim, ingressar no ano de 2019 com maior capitalização, permitindo novos investimentos, geração de empregos e garantia de saúde financeira ao seu negócio.