Por Leonardo Silva

Fiquei surpreso quando, um dia pela manhã, recebi uma mensagem me convidado a compartilhar, por meio desta revista, a minha experiência de fazer o bem, de viver o bem. Desde pequeno, eu cresci na perspectiva de ofertar para os outros aquilo que eu gostaria de receber, então intuí que devemos dar aquilo que de melhor temos, e assim, aos poucos, fui aplicando isso na minha vida, no cotidiano. Nesse amadurecimento que ocorreu com o tempo, fiz meu discernimento vocacional e decidi me doar por inteiro aos meus irmãos, através da vida consagrada, fazendo a evangélica opção preferencial pelos pobres, de modo especial as crianças e adolescentes.
Moro na periferia de Castanhal, onde há poucos recursos e a violência nas suas mais variadas faces cresce de forma galopante, ver nossos pequeninos envolvidos nessa realidade abrasou meu coração, levando-me a uma iniciativa, não poderia eu ficar omisso diante de tantas situações, foi quando iniciamos um projeto social, de cunho pastoral que chamamos de ‘’Casa Bom Pastor’’. O nosso projeto, ainda de forma inicial, busca atender nossas crianças e adolescentes com atividades de acompanhamento, como: reforço escolar, aula de violão, cuidado com a horta, e mais recente a doação de sopa para 115 famílias e encontros com os idosos.
A casa Bom Pastor enfrenta muitos desafios para cumprir a sua missão, desde a falta de recursos financeiros até a crise de voluntários, só que nunca podemos deixar nos abater, muito menos perder a esperança, pois alegria e esperança são importantes “combustíveis” para esse movimento de doação de si. Por exemplo, todas as terças-feiras é uma correria, espera de doações de legumes para a sopa, vai atrás de doadores, e depois volta, tem todo o preparo da sopa, para às 16h badalar o sino e as famílias virem buscar, podem até pensar; ’’Meu Deus que loucura, isso é cansativo, dinheiro nenhum paga isso! ‘’E eu concordo, é verdade! A única coisa que paga todo esse esforço é o sorriso dos meus irmãos e saber que eles terão o que comer.
Todos os trabalhos e atividades do nosso projeto acontecem por meio da graça de Deus, que se concretiza na bondade do coração de pessoas que nos conhecem e nos ajudam a continuar a nossa missão, de ser um sinal de amor na vida de cada pessoa de quem nos aproximamos, cada ação nossa é pensando no infinito amor de Jesus, que como bom pastor, dá sua vida em favor dos seus amados, assim também nós, como Ele, queremos viver esse puro e grandioso amor, na simplicidade do dia a dia.
O que quero transmitir com esse breve trecho do meu testemunho, é que não podemos deixar de construir o bem, mesmo diante dos desafios, de pessoas de má fé. Se queremos uma sociedade diferente da que temos hoje, se sonhamos pela sua transformação, então devemos ser os primeiros a caminhar rumo a este objetivo, dar ao outro o melhor de nós, nosso abraço, nosso sorriso, nossa escuta,o nosso amor.