Por Jacklline Sousa
Especialista em tributos – CRC/PA 017985/0-1

O Brasil está entre os países que possuem os mais altos impostos do mundo. Diante dessa realidade, até então inalterável, reavaliar a gestão financeira do empreendimento pode se tornar uma ferramenta eficaz na identificação de erros corriqueiros resultantes de elevados prejuízos financeiros.
O primeiro e mais comum desses erros é a confusão entre as finanças pessoais e empresariais. É natural que o empresário acredite que, por ser dono da corporação, possa fazer uso dos disponíveis na hora em que achar necessário, com ou sem controle formal. Entretanto, essa atitude poderá mascarar os resultados da empresa, bem como criar armadilhas fiscais, pois os órgãos fiscalizadores poderão facilmente enxergar despesas que não tenham ligação nenhuma com a atividade principal da empresa e, consequentemente, poderá arbitrar o lucro do empreendimento, causando grandes transtornos financeiros – por meio de multas e impostos altivos. Para tanto, o ideal é que o empresário determine um salário mensal, formalizando-o, para que não haja retiradas exacerbadas que prejudiquem o caixa da empresa.
Outra problemática é a precificação dos produtos e serviços, já que muitos desconhecem os seus custos e os ignoram no momento de formar o preço de venda da produção.
Outra importante recomendação é delegar funções administrativas e contábeis a quem é de fato especialista no assunto, uma vez que muitos empresários centralizam funções contábeis quando deveriam estar concentrados em empreender, gerir e controlar resultados que sejam capazes de auxiliar no crescimento dos seus negócios.