O ano de 2017 foi marcado por muitas mudanças fiscais, e 2018 não será diferente. Muitas resoluções entraram em vigor, trazendo alterações importantes para as empresas. Umas das principais mudanças está relacionada às novas regras que passaram a valer desde o dia 1º de janeiro deste ano e atingem diretamente as empresas do Simples Nacional. Entre as principais modificações, está a elevação do limite da receita bruta para R$4.800.000,00, o aumento do sublimite de receita do Estado do Pará (com elevação do valor para R$3.600.000,00), as faixas de faturamento foram reduzidas de 20 para apenas 6, e novas atividades como a produção e comercialização de bebidas alcoólicas poderão optar pelo regime simplificado. Para o MEI – Microempreendedor, também houve alterações importantes. A partir de janeiro deste ano, as ocupações de arquivista de documentos, contador/técnico contábil e personal trainer não estão mais autorizadas a trabalhar nessa modalidade, portanto devem fazer a solicitação de desenquadramento no Portal do Simples Nacional. Outra mudança importante é a obrigatoriedade da informação do código CEST – Código Específico de Substituição Tributária, o qual tem o objetivo de identificar as mercadorias passíveis de substituição tributária. Essa atualização, implantada de forma gradativa desde o ano anterior, tornar-se-á obrigatória a partir de abril de 2018 e afetará principalmente o comércio varejista. Diante dessas novas obrigações fiscais, fica o alerta para que os empresários estejam sempre em contato com a sua contabilidade, com o intuito de buscar as orientações necessárias, bem como, se possível, fazer aquisição de softwares que facilitem a gestão fiscal de seu negócio, objetivando o controle seguro de todas essas atualizações.