A respiração bucal é uma queixa frequente nos ambulatórios de otorrinolaringologia. É decorrente de obstrução nasal completa ou incompleta, uni ou bilateral. Deve-se lembrar de que a respiração bucal não é uma doença, e sim uma síndrome com sinais e sintomas característicos e com um grande número de etiologias, tanto intrínsecos quanto extrínsecos ao nariz.
Dentre as principais causas, podemos citar: hipertrofia adenoideana, desvio septal, rinites, rinossinusites, atresia coanal, tumores benignos e malignos, polipose nasal, entre outros.
Sinais e sintomas que caracterizam essa síndrome: lábios afastados, face alongada e estreita, céu da boca escavado, má oclusão dentária, roncos noturnos, apneia do sono, sonolência diurna, tosse crônica, mau hálito, mau rendimento escolar e tantos outros.
O tratamento do respirador bucal requer geralmente uma equipe multidisciplinar. A família deve ficar atenta, juntamente com pediatras e odontopediatras, aos sinais e sintomas do Respirador Bucal.
O tratamento baseia-se na identificação da etiologia para fazer uma terapia individualizada.
O diagnóstico precoce deve ser almejado, pois propicia o tratamento correto, no tempo adequado, evitando o desenvolvimento de deformidades orofaciais e até torácicas.