HÉLIO DE MOURA MELO FILHO – Diretor Comercial do Grupo Hiléia Alimentos
Formado em Administração de Empresa pela UFPA,
Marketing Financeiro na Universidade do Arizona – EUA,
MBA Gerencial na USP.

Há 29 anos, Hélio é Diretor Comercial de uma das empresas mais sólidas de Castanhal. Atuante no setor alimentício, o empresário conseguiu com sua equipe expandir os negócios por todo o Brasil. O trabalho focado em planejamento conquistou a confiança do consumidor sendo uma das marcas mais lembradas da região. Ele estreia nosso pôster especial sobre empreendedorismo, revelando perspectivas do mercado, postura em situação de crise e os desafios da busca pelo sucesso empresarial.

RJV – Qual o maior desafio do mercado atual diante dessa crise econômica e política em nosso país?

Hélio – Existe uma indefinição política e isso cria uma insegurança, embora as mudanças na economia tenham surtido efeitos, como o controle da inflação, redução dos juros, o que constitui fatores positivos no ponto de vista do investidor. Mas o grande obstáculo tem sido a parte política, o problema da operação Lava Jato e o envolvimento de grandes lideranças políticas, isso tem criado um clima de incerteza e insegurança, o que contribui para a não execução dos projetos de investimentos que as empresas têm em suas carteiras.

RJV – Você acredita que existem boas perspectivas de crescimento no cenário atual?

Hélio – Como o quadro político está sendo equacionado com o Poder Judiciário atuando, a gente percebe que nos últimos meses a economia tem se deslocado do ambiente político. Então, acreditamos que em 2018 haverá um movimento de investimento do setor privado, até porque teremos em 2018 eleições que poderão capitalizar o futuro Congresso Nacional e o futuro presidente para que façam as reformas necessárias. São ações imprescindíveis. A Reforma da Previdência vai resolver o problema do déficit em longo prazo e criar uma perspectiva de solução que hoje nós não temos. No mesmo sentido a Reforma Tributária promete simplificar e desburocratizar o sistema, a fim de diminuir os custos elevados oriundos da atividade empresarial. Que isso é um custo muito elevado atualmente para as empresas. O Brasil é um dos países que tem uma burocracia enorme, que se resolvesse a burocracia nós teríamos aí um crescimento do PIB só de resolver isso. E daí nós acreditamos que o próximo governo possa realizar todas essas reformas.

RJV – Um empresário de sucesso é sempre o que corre riscos?

Hélio – São vários fatores que levam ao sucesso. Primeiro você tem que considerar o conhecimento do negócio, linhas de crédito com juros razoáveis e o ambiente econômico. São variáveis. Não existe uma receita de bolo para o empresário de sucesso. Existem variáveis que são controláveis e as que não são controláveis. O ambiente interno da empresa dele, ele pode controlar. Mas, pra fora, ele não consegue controlar. Evidentemente dentro desse mundo dos negócios existe alguém que se destaca mais do que os outros. Então, se você não correr riscos você não vai adiante. O risco zero não existe.  Mas, o risco calculado, esse é o cuidado que se deve ter.

RJV – Dá para tornar um produto antigo novamente atraente para o consumidor?

Hélio – Os produtos têm um ciclo de vida. Existe a fase embrionária, crescimento, maturação e declínio. Quando o produto vai chegando ao ponto alto da existência, é necessário sempre fazer algumas alterações em formulação, embalagem, ou seja, inovar em algo naquele produto. Fazer com que o mercado o perceba sob uma nova perspectiva. Isso é possível sim.

RJV – E isso nos lembra de que é preciso estar atento ao mercado. Como se preparar para acompanhar as mudanças?

Hélio – Hoje a grande mudança do mercado é o desemprego, temos 13 milhões de desempregados. Isso significa dizer que a massa salarial está bem reduzida, então os recursos estão escassos. As empresas estão se ajustando a essa nova realidade da seguinte forma: reduzindo custos internos e procurando racionalizar as operações. É importante utilizar instrumentos eficazes a ensejar o enfrentamento do momento presente, que conta com alta taxa de desemprego. O que se observa nessa taxa é que ela vai começar a diminuir, mas isso é um processo bem longo, segue até 2021 mais ou menos para termos os mesmos números que tínhamos no passado, isso se as reformas forem feitas.

RJV – Então, o que deve motivar o empreendedor a continuar?

Hélio – Primeiro o que leva a pessoa ser motivada? É ela gostar daquilo que faz. O primeiro fator é você acordar e estar animado para ir pro seu trabalho. Então, se não tem esse sentimento já é um mau sinal. Segundo é fazer todas as análises e procurar conduzir o seu negócio de acordo com a realidade econômica do momento. Se você tem um mercado com recurso de capital escasso, economia apertada, tem que entender que a sua atividade vai ser reduzida e tem que se ajustar a essa realidade. Tem que estar motivado a fazer essas mudanças.

RJV – No seu ponto de vista, quais são as habilidades e conhecimentos essenciais para um empreendedor de sucesso?

Hélio – Acredito que o importante é primeiro conhecer o seu negócio. Ler o mercado, observar, pesquisar para entender para onde o consumidor está conduzindo o recurso dele e quais são as mudanças de comportamento dele. Você também deve se manter atualizado. Hoje o mundo é muito dinâmico, nós já estamos falando na indústria 4.0, que é a comunicação das máquinas. Essa é uma realidade que já acontece na Europa, e tende a chegar ao Brasil. A indústria brasileira vai ter que se adaptar a essa nova realidade tecnológica. Essa quarta onda, a indústria 4.0 é a comunicação entre as máquinas. Você recebe a matéria prima e o produto vai sair pronto sem contato manual, tudo comunicação das máquinas.

RJV – Tecnologia também chega à informação. Como você encara essa nova forma de publicidade que as redes sociais oferecem? Elas mais atrapalham ou ajudam?

Hélio – A grande novidade hoje é o uso das redes sociais, como fazer a empresa se comunicar para que aquele público das redes sociais perceba o produto dela. O desafio é saber chegar e se comunicar com esse universo dinâmico, é um público muito jovem que muda muito rápido. Nós todos temos consciência que existe grande volume de informação nas redes sociais e que podemos nos comunicar através delas. Algumas empresas já conseguiram entender essa comunicação. É uma realidade que veio para ficar e não pode atrapalhar. Nós temos que nos adequar a ela e entendê-las para sermos assertivos.

RJV – Como encarar o fracasso ou a possibilidade de fracassar?

Hélio – A primeira forma é aceitar que errou. Se você não consegue aceitar um erro seu como é que você vai resolver um problema? Não é remoendo o passado. Tem que gastar as energias resolvendo o problema. Aí está a diferença. Não dá pra ficar perdendo tempo se perguntando quem errou e quem foi o culpado. O fato está consumado? Vamos partir pra solução, não adianta perder tempo com o que passou.

RJV – Quais dicas você daria para um empreendedor que está começando agora?

Hélio – Na realidade nós deveríamos criar essa cultura empreendedora desde o colégio primário, seguir no Ensino Básico e Médio. Porque o primeiro empreendimento é a nossa carreira. As escolas têm que comunicar aos alunos que ele é o empreendedor, não é só o empresário, nós temos que ver o empreendedor de forma ampla. Então o empreendedorismo começa com o aluno na escola, onde o empreendimento é a realização dele como profissional. O outro ponto é conhecer o que se vai fazer. Estudar e ter perseverança de que as coisas não acontecem do dia pra noite. Ter uma rede de relacionamento que abra portas. Tudo isso, somado a determinação. Se eu não for determinado, perseverante e tiver uma rede de relacionamento pra ter como chegar, vai ser difícil.

Thai Veículos